Escravinha da beleza


   Esta semana uma pessoa veio me contar que havia encontrado com uma menina de 4 anos junto a sua mãe que fazia compras. Esta pessoa disse ter considerado menina tão bonita que sugeriu a mãe dela a colocá-la numa agência ou coisa do tipo, pois ela era muito bonita. A mãe disse que já havia feito um álbum dela e que estava esperando retorno da empresa para um possível trabalho. A menininha disse que, quando crescer, gostaria de ser atriz... Talvez eu pareça um tanto quanto ultrapassada, fora da realidade... não sei. Só sei que isto tudo teve um grande impacto sobre o que penso.

   Num momento em que vivemos num mundo que prega pela beleza, exposição excessiva da imagem pessoal (seja em Big Brother´s da vida, seja em sites de relacionamento, em revistas...), que prega pelo corpo magro... como é possível a própria mãe de uma criança de 4 anos praticamente ‘jogá-la’ nesse mundo tão ‘feio’? Como pode essa menina com essa idade já estar vivendo uma vida ‘de gente grande’ querendo ser atriz ou modelo... deixando de lado coisas de meninas de 4 anos para ser uma ‘escravinha da beleza’? E o pior: como é capaz de surgir tantas pessoas exaltando a beleza de uma criança a ponto de não considerá-la somente uma criança e ainda sugerir para a mãe colocá-la numa agência?

   Não sei de quem é o erro. Se é da mãe que expõe sua filha para um mundo ‘tão feio’ tão precocemente. Se é ela que põe numa criança todas as suas vontades, decidindo o que a criança vai querer ou não, despertando na menininha o desejo de ser até mesmo atriz (com 4 anos, eu nem sabia o que era ser atriz). Não sei se o erro é da pessoa que faz uma sugestão dessa na frente da criança exaltando sua beleza e nem sei se é da mãe que escuta essas pessoas e ‘vai por suas cabeças’ e nem da mídia que ‘joga’ tanta coisa hoje em dia sobre nós. Mas a única coisa que sei é que criança tem de ser criança na hora certa. Adolescente tem de ser adolescente e adulto tem de ser adulto, pois, quando uma fase da vida não é vivida plenamente, ela tende a’ voltar’ na pessoa mais cedo ou mais tarde.

   Por isso, só espero não ver essa menina daqui uns anos, com talvez 25, 26 anos na mídia, quem sabe, se comportando como uma menininha de 4 anos e sendo vista como fútil e sem conteúdo perante a sociedade, pois filhos da moda, do mundo da beleza... estão cada vez mais comuns, o que não é muito difícil encontrarmos por aí hoje em dia se pararmos só um minuto para assistirmos uma modelo ou dançarina de programa de televisão dando suas pobres opiniões sobre qualquer assunto que não seja beleza e exposição.

   E você? O que pensa sobre esse assunto? Comente!

O Blog Li França Num Papo Cabeça possui caráter informativo. Caso haja alguma dúvida por parte do leitor, não está garantida uma possível devolutiva em decorrência da grande demanda recebida, mas o Blog Num Papo Cabeça recebe, com muito carinho, sugestões de temas de vocês, leitores.
Até mais!
Li França

1 comentários:

Fernanda disse...

Oi Li. Adorei seu blog, já li quase todos os posts. Mas resolvi comentar esse simplesmente pq é o que eu vejo com quase todas as mães de meninas ultimamente. Elas incentivam o consumismo nas crinasças exigindo que elas se vistam de maneira a ficar na moda, depois fotografam e as expõem em redes sociais (ainda tem isso!). As pessoas comentam achando as crianças fofas com personalidades... Mas como uma criança de pouco mais de 1 ano pode ter dicernimento para escolher a roupa da moda? claro que foi a mãe... E assim, vai ensinando as crianças o consumismo, a padronozição de comportamento e de certa forma a discriminação de quem não se encaixa no movimento fasionista mirim. Fora outras questões, que eu como leiga na psicologia não saberia explicar...

Postar um comentário